O dia em que aprendi a fotografar

Em 15/05/2017


Pode parecer estranho mas aprendi a fotografar no dia em que passei minha máquina para o automático. Louco, eu sei.


Explico: dos 24 anos que estou envolvido na fotografia, 18 deles foram em manual e na marra. Sempre que participava de eventos e palestras de estrangeiros reparava como era difundido entre eles os sistemas automáticos, pensei que podia experimentar. Tentei algumas vezes e deu tudo errado. Fotos super e sub expostas, tremidas entre outros. Uma droga. Postei-me a refletir sobre o que poderia estar errado.


Problemas ao fotografar com os recursos automáticos


Velocidade: o equipamento estava decidindo qual velocidade usar, não permitia que eu escolhesse.


Abertura: igualmente incontrolável, sendo que é predominantemente relevante para a estética desejada.


ISO: Irrelevante, não tenho restrições quanto ao uso, pode ser qualquer um, não influenciará na escolha da técnica/discurso que pretendo empregar na fotografia.


Fotometria: muitas diferenças entre as sombras e as altas luzes numa mesma cena, o equipamento sempre tem dificuldades de entender o que estou fotografando ou qual área estou favorecendo.


Observações sobre as funções da câmera



Velocidade: decidi que preciso definir qual a velocidade desejada e/ou qual a menor velocidade que gostaria de usar.


Abertura: muito da estética da foto está atribuída a abertura, então, escolheria um programa na câmera que me permitisse escolhê-la, quando julgar pertinente.


ISO: quase que irrelevante, não tenho interesse em saber que ISO foi usado, quero que o equipamento apenas use.


Fotometria: em cada foto tem sempre uma área que pretendo destacar, e/ou, expor corretamente, o restante dela, indiferente.


Soluções encontradas para cada item



Velocidade:

1 - Encontrei na Nikon na configuração do menu de disparo, um item para controlar a velocidade mínima de disparo, concomitantemente ao ISO automático. Ou seja, aciono o ISO automático e ao mesmo tempo a velocidade mínima do obturador. Idem na Canon, nos modelos mais avançados como 6d e 5d.


2 - Decidi também usar o programa de prioridade de velocidade, na Nikon S e na cânon TV. Neste programa, insiro qual velocidade quero empregar na imagem. Perfeito!


Abertura:

1 - Outro programa de prioridade - decido pelo A na Nikon ou AV na Canon, com a seguinte observação: preciso definir a velocidade mínima do obturador, no menu citado acima, atrelado ao ISO automático, para evitar fotos com velocidades indesejáveis.


2 - Pulo do gato - uso o programa da câmera em MANUAL, deixando apenas o ISO em automático. Ótimo para controle absoluto da estética da imagem, delegando para o equipamento decidir qual ISO utilizar.


ISO: acho que já dei a dica disso.


Fotometria: compreendi as diferenças da cena em primeiro lugar, para depois olhar para os tipos de fotometria e escolher a pontual. Muito mais eficaz para avaliar a porção da imagem que me interessa, dispensando assim técnicas mirabolantes de compensação de exposição.


Na Nikon, a tal fotometria, acompanha o ponto de foto, ou seja, onde esse estiver, está fotometrado. Quando foco na pele da pessoa por exemplo, essa estará sempre fotometrada. Na Canon, no centro do quadro há um círculo, que é responsável pela fotometria. Basta colocar este círculo na área desejada e “bingo”, está feito.


OBS: Tive que ter cuidado ao reenquadrar o equipamento, especialmente a Canon, pois a fotometria acompanha o círculo.


Um novo problema: como travar a fotometria



Precisava travar a fotometria. Pesquisei e descobri.

Na Canon, pressionar o * (asterisco) resolve;

Na nikon, o botão AE-L/AF-L

Ambos são botões que travam a fotometria por uns 5 segundos, ou pelo tempo que a máquina permanecer ativa (clicando)


No menu controles de ambas as marcas, estes dois botões podem ser personalizados a gosto.


Por fim, ficou claro que o equipamento é muito inteligente e que o burro era eu. Estudei, fiz minhas considerações e entendi o equipamento a fundo, e quando necessário/desejado, fotografo em automático, sem nunca esquecer de tudo que já fiz e ainda faço em manual.


Então, eu sei, ouvir falar de alguém que fotografa em automático arrepia, nem parece profissional, mas quando colocado sobre estes pontos de vista, fica claro que só um profissional é capaz de fazer em automático e ainda obter um resultado sob controle e com muito mais rapidez.


Essa galeria de fotos que exponho logo abaixo foi feita inteiramente em automático. Foram 6 escolas, em 6 intervalos de 30 minutos com luzes invariavelmente díspares. Olhe e tire suas conclusões, é um trabalho profissional?


https://goo.gl/photos/W2gopZdxeWTu1UgN7


Ansioso por seus comentários.


Lista VIP - Faça parte

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

cadastrar

6 fantásticas melhorias que vão economizar o seu precioso tempo

Em 26/04/2017


Prepare-se. Você vai conhecer 6 novidades que vão te ajudar a economizar tempo e simplificar algumas tarefas.Antes de tudo, queremos agradecer a todos os fotógrafos que repassam o feedback e ajudam na construção deste incrível sistema.Nosso modelo de gestão está baseado em entregar a melhor experiência através do sistema para fotógrafos F5.6. Isso inclui aperfeiçoar diariamente todas a