Um olhar pela janela

Em 19/05/2016


Os olhos embriagados de sono e com a língua queimada de chá, lembrei que havia deixado a veneziana da janela aberta no quarto do Henrique. Entrei e, ao espiar o moleque, reparei na parede uma projeção de luzes e sombras perfeitas da cortina e suas rendas. Uma luz muito forte e distante no quarto totalmente escuro, serviu para criar o efeito na parede e também, o mais importante, como inspiração para uma sessão de fotos agendada para o próximo dia de trabalho.

Para meu azar... ou sorte... perdi o sono. Passei o restante da noite pensando em como reproduzir tal efeito que observara na parede do quarto do meu filho.

Já na manhã seguinte, com muito sono e entusiasmo, comentei com o cliente como imaginara fazer as fotos. Adorou, me deu carta branca. Ele, músico, lançaria um cd de canções próprias e precisava dar rosto ao artista. Pedi que tocasse algumas canções para mim, que em silencio e de olhos bem fechados, tive a certeza de que estava no caminho certo.

Em posse de um ralador de queijo, um escorredor de massa e mais alguns utensílios domésticos, dei um susto em minha esposa que achou que eu estaria saindo de casa.

"Calma amor, é só para uma sessão de fotos, e não é gastronomia!".

Levei também uma lanterna de LED com uma lâmpada só, que serviu para iluminar o músico através destes objetos inusitados que citei. O resultado era exatamente como o que tinha observado no quarto do meu filho, só que não precisei arrancar as cortinas.

Confesso, foi demais.

Então, antes de queimar a língua com o chá que está fervente, lembre­-se que para ter uma inspiração basta olhar melhor pelas janelas de sua vida, muitas ideias estão mais perto do que imagina, abra as vidraças para elas entrarem.

Lista VIP - Faça parte

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

cadastrar

Uma questão de foco

Em 13/05/2016


Pela janela não dava para ver muito bem, mas reparei que requebravam. Sim, agora é febre. Zumba. Já que pratico o turismo na academia, fiquei ali, por detrás do vidro, escutava músicas que sequer sabia que existiam. Vi a galera mexer pra cá, pra lá, sobe, desce, pula, gira, e outros tantos movimentos que meu corpo é incapaz de compreender, e que me fizeram pensar: "deve dar uma foto e tant